Nota de pesar sobre a execução da vereadora Marielle Franco

A CONTRASP – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Segurança Privada vem a público lamentar profundamente a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), uma eterna voz em defesa dos direitos humanos, e do motorista Anderson Pedro Gomes, repudiando profundamente os assassinatos brutais e covardes ocorridos nesta quarta-feira (14/03), no Rio de Janeiro.

Marielle, 38 anos, era mãe, negra, ativista, socióloga, com uma vida marcada pela militância e luta ardente pelos direitos humanos e igualdade social. A quinta vereadora mais votada do Rio de Janeiro, criada na favela de Maré, havia denunciado a atuação violenta da PM no Rio de Janeiro quatro dias antes da sua execução.

Ela foi brutalmente assassinada dentro do carro, voltando de um evento chamado “Jovens negras movendo as estruturas”, na Lapa, com pelo menos quatro tiros na cabeça.  O motorista também morreu baleado. A principal linha de investigação de polícia é a execução.

Mas nenhuma de suas bandeiras foi silenciada. Sua batalha diária contra a violência, o racismo, o machismo, pela igualdade de gênero e social deixou um legado inenarrável, com a certeza de que a dor engrenhou a revolta e indignação pelo sistema político falido no Brasil, que segue aclamando por justiça e respostas pelas execuções violentas.

Nos solidarizamos com a dor dos parentes e amigos, desejando conforto aos seus corações. Exigimos a apuração rigorosa e imediata, com a devida punição dos responsáveis e seguimos no compromisso de intensificar a mobilização exigindo justiça e pelo fim da repressão contra as lutas sociais.

Não nos calaremos, a luta pelos direitos humanos e igualdade social continua!

 

Fonte: CONTRASP - http://contrasp.org.br/noticia/nota-de-pesar-sobre-a-execucao-da-vereadora-marielle-franco